728 ad

Tratamento da crise da enxaqueca – Novidades do Congresso Mundial – 2015

Tratamento da crise da enxaqueca – Novidades do Congresso Mundial realizado em Valencia, Espanha, 14 a 15 de maio – 2015. Dr Paolo Marteletti, editor chefe da revista Journal of Headache and Pain, e eu passamos para julgar os posters referentes a pesquisas de novos tratamentos para crises de dores de cabeça. Algumas pesquisas interessantes foram mostradas. Eficácia do AVP-825 vs sumatriptano 100 mg, bloqueio de nervo occipital com bupivacaina sem corticoides para tratar aura prolongada da enxaqueca, estimulação não invasiva do nervo vago para crise de enxaqueca, estimulação magnética transcraniana de pulso único para tratar enxaqueca com uso excessivo de analgésicos. Foi estudada a combinação entre sumatriptano 100 mg e paracetamol 500 mg, mostrando que os dois juntos funcionam melhor que quando usados separadamente, sem efeito negativo gástrico que as combinações de sumatriptano com naproxeno podem ocasionar. A experiência de alguns casos com ketamina endovenosa mostrou-se promissora, boa resposta clínica com poucos efeitos colaterais. Também pela veia, um relato do uso de sulfato de magnésio 2 gramas com sucesso em 88 pacientes com crises prolongadas de enxaqueca. O aparelho CoolHead, que injeta ar frio dentro das narinas através de um fino cateter para aliviar as crises de enxaqueca mostra se promissor, uma forma inovadora de tratar a crise, literalmente “esfriando a cabeça”. Nas apresentações sobre prevenção tivemos a divulgação dos resultados do uso dos anticorpos monoclonais contra o CGRP, já em fase avançada dos estudos que mostram boa segurança e eficácia, em aplicações injetáveis, detalharemos em outro post. Dr Mario...

Dor de cabeça relacionada a maior ingesta de sal

Dor de cabeça relacionada a maior ingesta de sal. Dr Mario Peres, médico neurologista, escreve sobre a recente pesquisa que mostrou relação do consumo de sal com mais dor de cabeça. Estudo publicado no British Medical Journal (BMJ) mostra o efeito do consumo do sal e a ocorrencia de dores de cabeça. Liderado pelo Dr. Lawrence Appel, diretor do Welch Center for Prevention, Epidemiology and Clinical Research na Johns Hopkins, Baltimore, a pesquisa mostra que pessoas que ingerem 8 gramas de sal por dia tem 35% mais dor de cabeça do que quando ingerem 4 gramas. Para acessar o estudo “Effects of dietary sodium and the DASH diet on the occurrence of headaches: results from randomised multicentre DASH-Sodium clinical trial” acesse o link http://bmjopen.bmj.com/content/4/12/e006671.full   Foram  390 pessoas divididas na dieta DASH, rica em frutas, vegetais, laticinios, e pouco gordurosa ou dieta livre, o ideia dos autores era de verificar o efeito da dieta na hipertensão arterial. A diferença das duas dietas não foi significante em relação a dores de cabeça, mas o conteúdo de sal foi o que mostrou impacto. Resta saber se diminuirmos o sal da alimentação pode melhorar as dores de cabeça das pessoas que sofrem com enxaqueca, cefaleia tensional ou outras dores de cabeça. Como a maioria das pessoas come acima do recomendado do conteúdo de Sódio (1,5 g ao dia), esta orientação pode ser útil para a maioria das pessoas. Especialistas podem incluir a diminuição do sal nos tratamentos da enxaqueca. Esta pesquisa tem limitações pois não sabemos o tipo exato das dores de cabeça, se cefaleias do tipo tensional, enxaquecas, dores diarias ou infrequentes se alteraram da mesma forma com a mudança da ingesta de sal....

Efeitos da cafeína no organismo

Entrevista no JC Debate da TV Cultura, Dr Mario Peres, médico neurologista fala sobre os efeitos da cafeína no organismo.   Assista ao bloco 1 Bloco 1. Recentemente a tenista Serena Williams pediu aos juízes um café no meio da partida, o pedido foi concedido e Serena acabou ganhando a partida. Dr Mario Peres comenta que existem várias substâncias no café, além da cafeína, que é a mais importante, outras como antocianinas, antioxidantes e até substâncias analgésicas recentemente descobertas. A dose e horário da ingesta do café é de vital importância, pois o excesso do café pode gerar insônia, dores de cabeça, agravar enxaquecas, ansiedade, irritabilidade, tremores, gastrite. Cerca de 3 cafezinhos ao dia não é prejudicial para a maioria das pessoas, mas o último não deve passar das 18 horas. Pesquisa mostra que um cafezinho mais um cochilo tem efeito benéfico. Dr Mario comenta que o o estudo foi feito com pessoas que estavam cansadas, portanto com uma privação de sono, então deve-se ter uma atenção especial ao que está por trás da tomada do café, que pode encobrir algum deficit de memória, como o TDAH no adulto, o transtorno do déficit de atenção e hiperatividade, ou outras distúrbios do sono, como a apneia do sono. Abstinência da cafeína. Dr Mario Peres, comenta sobre a falta do café, a abstinência é muito comum quando temos o hábito de tomar café no trabalho durante a semana e no final de semana não ter a mesma ingesta, então sente-se dor de cabeça, ansiedade, irritabilidade, falta de concentração. Veja abaixo o Bloco 2 A jornalista Andresa Boni comenta das impurezas do café e mostra uma matéria sobre o assunto. Comenta também que a Embrapa descobriu recentemente substâncias no café com efeito similar ao da morfina. Dr Mario Peres finaliza comentando que se observe os sintomas que podem estar relacionados ao consumo do...

Dor de cabeça, pessimismo e inflamação

Uma das pesquisas mais importantes na área da dor nos últimos anos. Um dos maiores estudiosos do efeito placebo, o italiano Fabrizio Benedetti, publica na revista PAIN ((155) 2014, pag 921-928) um excelente artigo: ” Nocebo and placebo modulation of hypobaric hypoxia headache involves the cyclooxygenase-prostaglandins pathway”. Dois grupos de estudantes que iam para um acampamento de pesquisa na montanha a 3500 metros de altitude foram avaliados. De 121 estudantes, 36 manifestaram preocupação com a ocorrência de dor de cabeça na altitude e apresentaram uma expectativa negativa, antecipação de que teriam dor de cabeça na montanha. Sabemos que aumentam mesmo as chances de cefaleia quanto maior a altitude que estamos. Os que não se preocuparam mas posteriormente tiveram dor de cabeça foram comparados. A pesquisa descobriu que a expectativa negativa aumenta os níveis de substâncias inflamatórias, prostaglandinas e tromboxanas, sugerindo aumento da atividade da ciclooxigenase nestes pacientes, além de aumentar também a chance da dor de cabeça, cefaleias aparecerem. Já se sabia que o efeito nocebo, efeito gerado pela expectativa negativa, era modulado pelas substâncias opióides, endocanabinóides e colecistoquininas. Esta pesquisa confirma a ideia de que o pessimismo, que a expectativa negativa aumenta a chance de ter dores no corpo e dores de cabeça, e que estes mesmos pensamentos negativos aumentando os níveis de substâncias inflamatórias. Provavelmente a reversão destes pensamentos por outros que ressaltem o otimismo, a expectativa positiva, a fé, possam melhorar os estados de dor! Chegará o dia em que ao invés de tomar um anti-inflamatório faremos uma meditação ou oração e a dor desaparecerá? Texto escrito pelo Dr Mario Peres, médico neurologista.  ...

Diario da Dor de Cabeça: Aplicativo para anotar as crises de enxaqueca

Olá Amigos, Gostaria de recomendar a todos o aplicativo “Diario da Dor”, disponível para celulares Android e Ios (iphone). O Diário da Dor permite uma quantificação da frequencia das crises, duração e intensidade, uso de medicamentos, causas e fatores associados. Com todas essas informações em mãos é muito mais fácil e dinâmico enviar um relatório preciso ao seu médico. para baixar o aplicativo clique em DIARIO DA DOR ANDROID ou DIARIO DA DOR IPHONE  ...

Causas da Enxaqueca, dor de cabeça no calor

O site do Dr Drauzio Varella publicou uma matéria sobre as causas da enxaqueca, o calor e as dores de cabeça, na qual damos alguns esclarecimentos, veja o texto abaixo escrito pela jornalista Juliana Conte: http://drauziovarella.com.br/destaque1/calor-intensifica-crises-de-enxaqueca/ “A enxaqueca é uma doença multifatorial, causada por vários fatores além do genético. O consumo de alimentos como queijos, embutidos e chocolate, alterações hormonais, tabagismo, odores fortes e ingestão de bebida alcoólica podem desencadear uma crise. Por isso, se você costuma ter crises de enxaqueca é melhor ficar atento, pois o calor ajuda a torná-las mais frequentes. Nestes dias em que a temperatura vem batendo recordes, a dica é evitar exposição prolongada ao sol e procurar se hidratar bem. “O que acontece é que o calor dilata as artérias e veias da cabeça, podendo causar fortes dores no fim do dia. A claridade também é um grande problema, pois pessoas com enxaqueca apresentam fotofobia, ou seja, são muito sensíveis à luz”, explica o neurologista Mario Peres, do Hospital Israelita Albert Einstein. No calor, os indivíduos também ficam mais suscetíveis à desidratação, que leva a um desequilíbrio na entrada e saída de sódio e potássio das células, podendo alterar o metabolismo e desencadear quadros de enxaqueca. “Nos dias de temperaturas elevadas, nós automaticamente perdemos muito mais líquidos. E isso tem relação direta com a enxaqueca”, completa Peres. A medida de controle para as crises seria resfriar a cabeça com compressas de água fria, tomar bastante líquido e, se estiver num ambiente muito quente, esperar um pouco para entrar em outro muito gelado, com ar condicionado. É importante também sair de casa munido de óculos de sol e chapéu.” Vale lembrar que o tratamento da enxaqueca e de outras cefaleias, dores de cabeça não pode ser apenas com remédios para crise, como os analgésicos, deve ser preventivo, para evitar que venham as dores de cabeça, avaliando as causas e...

Especialista esclarece dúvidas frequentes sobre dores de cabeça, enxaqueca

Dr Mario Peres, médico neurologista, responde perguntas sobre causas, sintomas e tratamento das dores de cabeça, cefaleias, enxaquecas. 1.Quais as causas mais comuns da dor de cabeça (tensão, ingestão de álcool, enxaqueca, problemas oculares, sinusite etc.)? As dores de cabeça podem ser um sintoma de alguma doença, desde uma simples gripe até um aneurisma ou tumor cerebral, quando chamamos de cefaleias secundárias. Podem ser também dores de cabeça recorrentes como no caso da enxaqueca, cefaleia tensional, cefaleia em salvas e outras, chamadas cefaleias primárias. Nestas, os desencadeantes podem ser alimentares (jejum, bebida alcoólica, excesso de cafeína, lactose, embutidos, enlatados), hormonais, estresse, falta de sono, e sedentarismo. 2.Como é feito o diagnóstico das cefaleias, das dores de cabeça? O diagnóstico das cefaleias secundárias se faz com exames pertinentes a cada suspeita, desde testes laboratoriais como hemograma, dosagem de hormonios, provas inflamatórias, assim como exames de imagem, tomografia, ressonancia magnética. Na suspeita de meningite costuma se fazer o exame do liquor, por punção lombar, para retirada e análise do líquido cefalorraquidiano (liquor). Já o diagnóstico das cefaleias é clínico, baseado nas informações, aspectos, características das dores, sua localização, tipo, fatores associados, duração, frequência, na maioria das vezes não necessita de exames. 3.Como prevenir e tratar os sintomas das cefaleias? O principal tratamento das cefaleias é o preventivo, para tanto, é preciso uma avaliacão criteriosa para serem determinados os desencadeantes, as causas da dor. Existem várias opções de medicamentos e formas não medicamentosas para prevenir enxaquecas e outras cefaleias primárias, com o uso de antidepressivos, anticonvulsivantes, bloqueadores adrenérgicos, além de suplementos, vitaminas, fitoterápicos que podem também ser usados. O uso da toxina botulínica (botox) é muito utilizado em pacientes com enxaqueca crônica. Na hora da dor, para cortar a crise, os analgésicos simples podem funcionar, mas em crises mais fortes são necessários medicamentos específicos, da classe dos triptanos, com resposta superior aos...

Melatonina No Brasil – Matéria de capa da Istoé

O super hormônio Recentes estudos provam que a melatonina faz muito mais do que ajudar a dormir. Entre outros benefícios, ela auxilia no emagrecimento, combate a diabetes, controla a enxaqueca e protege contra os danos do mal de Alzheimer Cilene Pereira e Monique Oliveira   Uma substância fabricada naturalmente pelo organismo está despontando das pesquisas científicas como uma espécie de super-remédio. De acordo com estudos realizados em todo o mundo, a melatonina, hormônio responsável pela indução ao sono, é eficaz contra uma ampla gama de enfermidades. Só para se ter uma ideia, ela ajuda a emagrecer, protege contra os danos causados pelo acidente vascular cerebral, auxilia no controle da hipertensão e da diabetes e reduz as crises de enxaqueca. Um dos últimos benefícios descobertos foi o de diminuir a queda de cabelo provocada por causas genéticas, a alopécia androgenética, conhecida como calvície masculina. Ainda não se sabe ao certo quais são os mecanismos que levam a esse espectro tão grande de atuação. O que se descobriu recentemente e que ajuda a entender parte desse fenômeno foi que existem receptores sensíveis à ação do hormônio em todo o organismo. Produzida pela glândula pineal – localizada no cérebro – na ausência da luz, até pouco tempo acreditava-se que a substância agisse basicamente sobre os centros cerebrais envolvidos no controle do relógio biológico, estimulando o sono. Por essa razão, suas indicações mais conhecidas eram contra a insônia e outros distúrbios associados ao sono, como o jet lag. HERANÇA Regina constatou que o hormônio passa de mãe para filho pelo leite materno A descoberta de suas outras funções foi gradativa. Hoje, uma das áreas nas quais é possível encontrar conhecimento mais sólido a esse respeito é a do câncer. A relação entre a melatonina e a doença começou a ser mais investigada quando surgiram indicações de uma associação entre o risco aumentado para...

Enxaqueca no Site do Einstein: Sintomas, Tratamento, Botox

Dr Mario Peres fala sobre enxaqueca no site do Hospital Albert Einstein. Leia a matéria Enxaqueca O que é enxaqueca? Muitas vezes confundida com outras cefaleias, a enxaqueca é um tipo de dor de cabeça que costuma provocar dores unilaterais e latejantes, acompanhadas na maioria das vezes de náuseas, vômitos e intolerância a sons, luz e cheiros fortes. As crises tendem a aparecer ocasionalmente, com duração de quatro até 72 horas. Em casos extremos, a frequência pode ser diária. Causas da Enxaqueca A enxaqueca é uma doença multifatorial. Além do fator genético, o consumo de alimentos como queijos, embutidos, chocolate, café e adoçantes com aspartame, sono prolongado ou falta de sono, excesso de exposição ao sol, alterações de hormônios, tabagismo, odores fortes e a ingestão de bebida alcoólica podem desencadear uma crise. Transtornos de humor, como ansiedade e depressão, também podem frequentemente estar associados a um episódio de enxaqueca. Incidência A enxaqueca acomete 15% da população brasileira. Mais frequente no público feminino – só na região sudeste 30% das mulheres sofrem com as crises -, a doença é uma das principais causas de falta ao trabalho. A média é de quatro dias perdidos de trabalho por ano. Nos Estados Unidos, o custo estimado indireto por ano é de 13 bilhões de dólares. Por ser incapacitante – algumas pessoas não conseguem ficar em locais com luz ou barulho –, a enxaqueca influencia também as atividades familiares, sociais e escolares. Sintomas da Enxaqueca A crise de enxaqueca pode ser dividida em quatro etapas com sintomas distintos. Na premonitória, o período anterior à dor de cabeça, é comum o desejo por determinados alimentos, como chocolate, alterações de humor, cansaço, bocejos e retenção de líquidos. Depois vem a aura, que normalmente precede a crise, mas também pode ocorrer simultaneamente. Ela ocorre em 15 a 25% das enxaquecas, e se manifesta com alterações na vista...

Exercício Físico no Tratamento da Enxaqueca

Está sendo realizado um protocolo de pesquisa na UNIFESP para avaliar o efeito do exercício físico no tratamento da enxaqueca. Trata-se da tese de doutorado de Arão Belitardo, aluno do Prof Dr Mario Peres. Será feito um treinamento físico aeróbio 3vezes por semana por 12 semanas, com intensidade moderada (40-60% do VO2 de reserva) em esteira. Será avaliada a aptidão aeróbia por ergoespirometria e pré e pós treinamento e correlacioná-los com a frequência de crises. Critérios de inclusão: Ø Pessoas que sofram de enxaqueca menos de 15 dias por mês; Ø Homens ou mulheres de 18 a 65 anos; Ø Que não tomam medicação para o coração [PROPRANOLOL (REBATEN) – ATENOLOL (ATENOL) – CARVEDILOL (CARDILOL) – VERAPAMIL (DILACORON)]. Não tabagistas; Não usuário de drogas; Sem uso de pílulas contraceptivas, anticoncepcionais (p/ as mulheres)  Ø Sedentários (não estejam praticando atividade física regularmente). Ø Estejam dispostas a realizar programa de 12 semanas (3 x / semana) de condicionamento físico aeróbio (moderado) como parte do seu tratamento. Ø Os participantes realizarão gratuitamente teste ergo-espirométrico (aptidão física) e exames de sangue. Ø Pessoas SEM enxaquecas, desde que atendam os demais critérios, também poderão participar como controle. Para maiores informações e agendamento de consulta, favor contatar Dr. Reinaldo Ribeiro ou Enfermeiro Johny: – Pelo Telefone: 5576-4778; ou, – Pelo e-mail dr.reinaldo@ig.com.br; ou – Pessoalmente no Ambulatório de Dor de Cabeça da UNIFESP na Rua Napoleão de Barros, 771, Térreo, Balcão 5 da Neurologia, Seg. – Qua. – Sex. às 8:00h....

Oxigênio no tratamento da crise de Cefaleia em Salvas

Oxigênio no tratamento da crise de Cefaleia em Salvas. dr Mario Peres, médico neurologista, pós-doutorado na área de cefaleias escreve sobre o tratamento da cefaleia em salvas com o oxigênio. A Cefaleia em Salvas tem algumas particularidades, tanto na sua apresentação clínica quanto no seu tratamento. Leia Cefaleia em Salvas: causas, sintomas e tratamento Muito comum a grande demora em se fazer o diagnóstico da cefaleia em salvas, pois acaba sendo confundida com a enxaqueca, sendo tratada como tal e sem resolução, sem resposta ao tratamento. O tratamento da cefaleia em salvas, assim como todas as cefaleias, tem como prioridade a prevenção, evitar que venham as crises, encerrar mais rapidamente o surto, o ciclo de dores e também evitar que venha um próximo surto. Leia mais sobre tratamento da cefaleia em salvas com melatonina e tratamento da cefaleia em salvas com bloqueio do nervo occipital clicando nos links Na hora da dor, duas são as opções mais eficazes, o sumatriptano subcutaneo e o uso do oxigênio. Interessante que de todas as cefaleias primárias como a enxaqueca ou cefaleia tensional, apenas na cefaleia em salvas que o oxigênio tem um papel importante, ele é recomendado para cortar a crise quando ela aparece, é muito eficaz, e não tem efeito colateral. Apesar de eficaz e bem tolerado, o oxigênio tem acesso limitado, é preciso estar perto de um cilindro ou torpedo de oxigênio em um serviço hospitalar, o que muitas vezes inviabiliza seu uso pois a crise de cefaleia em salvas tem duração média de uma hora, não dá tempo para chegar até um pronto socorro. Além disto, os médicos da emergência normalmente não conhecem este tratamento e acabam não prescrevendo. A solução é o aluguel de um torpedo de oxigênio, com uma máscara ou catéter de O2, para ser usado a 100%, a 15 litros por minutos por 15 minutos...

Saiba tudo sobre enxaqueca – Hospital Albert Einstein

Assista o vídeo sobre enxaqueca, dores de cabeça, cefaleia tensional, cefaleia em salvas na página do Hospital Albert Einstein – Em dia com a saúde. Dr Mario Peres, médico neurologista, explica as causas, sintomas e tratamentos das cefaleias, enxaquecas. Leia todos os posts sobre cefaleia em salvas clicando aqui cefaleia em...

« Older Entries