728 ad

Efeitos da cafeína no organismo

Entrevista no JC Debate da TV Cultura, Dr Mario Peres, médico neurologista fala sobre os efeitos da cafeína no organismo.   Assista ao bloco 1 Bloco 1. Recentemente a tenista Serena Williams pediu aos juízes um café no meio da partida, o pedido foi concedido e Serena acabou ganhando a partida. Dr Mario Peres comenta que existem várias substâncias no café, além da cafeína, que é a mais importante, outras como antocianinas, antioxidantes e até substâncias analgésicas recentemente descobertas. A dose e horário da ingesta do café é de vital importância, pois o excesso do café pode gerar insônia, dores de cabeça, agravar enxaquecas, ansiedade, irritabilidade, tremores, gastrite. Cerca de 3 cafezinhos ao dia não é prejudicial para a maioria das pessoas, mas o último não deve passar das 18 horas. Pesquisa mostra que um cafezinho mais um cochilo tem efeito benéfico. Dr Mario comenta que o o estudo foi feito com pessoas que estavam cansadas, portanto com uma privação de sono, então deve-se ter uma atenção especial ao que está por trás da tomada do café, que pode encobrir algum deficit de memória, como o TDAH no adulto, o transtorno do déficit de atenção e hiperatividade, ou outras distúrbios do sono, como a apneia do sono. Abstinência da cafeína. Dr Mario Peres, comenta sobre a falta do café, a abstinência é muito comum quando temos o hábito de tomar café no trabalho durante a semana e no final de semana não ter a mesma ingesta, então sente-se dor de cabeça, ansiedade, irritabilidade, falta de concentração. Veja abaixo o Bloco 2 A jornalista Andresa Boni comenta das impurezas do café e mostra uma matéria sobre o assunto. Comenta também que a Embrapa descobriu recentemente substâncias no café com efeito similar ao da morfina. Dr Mario Peres finaliza comentando que se observe os sintomas que podem estar relacionados ao consumo do...

Tratamento para Enxaqueca sem Remédio

TRATAMENTO para ENXAQUECA sem remédio Dra Juliane Mercante, psicóloga com doutorado pelo IPq – FMUSP, escreve sobre o tratamento da enxaqueca sem remédios. Muitos sofredores de enxaqueca se interessam pelos tratamentos naturais, caseiros, e pelos tratamentos sem remédio. O tratamento da enxaqueca pode ser para cortar a crise de dor, mas o principal tratamento da enxaqueca é o preventivo, para evitar que venham as crises. É POSSÍVEL TRATAR A ENXAQUECA SEM REMÉDIOS? Sim, é possível. Nas últimas duas décadas, o tratamento não farmacológico para prevenção e controle da enxaqueca (migrânea) tem sido usados como terapias independentes ou combinadas à terapia medicamentosa. O Tratamento medicamentoso em conjunto com o não-medicamentoso costuma ter resultados melhores. QUEM PODE FAZER UM TRATAMENTO SEM REMÉDIOS PARA A ENXAQUECA? O tratamento pode ser feito por qualquer pessoa, a princípio, os tratamentos não medicamentosos não tem limitação importante. O tratamento não medicamentoso pode ser particularmente adequado como opção para indivíduos que sofrem de enxaqueca e que apresentam contraindicação médica para tratamentos farmacológicos específicos, como gravidez, planejamento de gravidez ou amamentação, além de pessoas que não toleram os efeitos colaterais dos remédios, idosos, indivíduos com doenças crônicas. Os objetivos do tratamento para enxaqueca, tanto farmacológico quanto não-farmacológico são: reduzir a frequência, intensidade e incapacidade das crises de enxaqueca; melhorar a tolerância e aceitação à farmacoterapia; melhorar a qualidade de vida; evitar intensificação da medicação aguda; educar e capacitar os pacientes a lidar com a doença, melhorando seu controle pessoal sobre a enxaqueca; reduzir os sintomas psicológicos e estresse relacionados a dor. QUAIS SÃO AS FORMAS DE TRATAMENTO? Existem tratamentos que podem ser divididos em sua atuação nas áreas física e mental. As terapias físicas incluem a fisioterapia com suas diversas técnicas: termoterapia, digitopressão, laserterapia, postura, relaxamento muscular. Outras formas de tratamento sem remédio que atuam fisicamente são os exercícios físicos e a acupuntura. As terapias com enfoque na esfera mental...

Pressão na Cabeça: O que pode ser?

Pressão na Cabeça: O que pode ser? Dr Mario Peres, médico neurologista, escreve sobre as causas da sensação de pressão na cabeça. Dores de cabeça são comuns na população, outras sensações como pressão na cabeça, aperto na cabeça, peso na cabeça, formigamentos na cabeça podem aparecer em algumas circunstâncias. A sensação de peso na cabeça pode ser secundária a alguma doença como uma infecção, um traumatismo craniano (alguma batida forte na cabeça), uso de algum medicamento, aumento da pressão arterial, ou até mesmo ser devido a alguma doença mais grave como tumor cerebral ou aneurisma. A cefaleia do tipo tensional pode ter como característica a sensação de peso, aperto ou pressão na cabeça. Ela pode estar também inserida no contexto de outras dores como a enxaqueca. As caracteristicas da cefaleia do tipo tensional são praticamente opostas a enxaqueca, a dor de cabeça ao invés de pulsátil é uma dor de cabeça em peso, em aperto. Costuma ser uma dor de cabeça bilateral, os dois lados da cabeça doem. A dor de cabeça é fraca ou moderada, enquanto na enxaqueca a dor é mais forte, podem ser mais curtas na sua duração (30 minutos) e podem também ser mais longas (7 dias). A pressão na cabeça associada a tontura, pressão na nuca, batimentos cardíacos acelerados, formigamentos, podem estar associados a quadros de ansiedade, ou até crises de pânico. O diagnóstico de labirintite deve ser também levantado pois a tontura, especialmente rotatória, com alteração do equilíbrio pode ser o sintoma predominante. Dores de cabeça como a enxaqueca e a cefaleia tensional podem ser associadas a tonturas, e não necessariamente ser labirintite. Procure um neurologista para uma avaliação correta do diagnóstico e das formas de tratamento. Para marcar uma consulta com Dr Mario Peres, ligue para 11 2151-0110 (hospital albert einstein) ou 11 3285-5726 (centro de...

Estudo mapeia progressão da Enxaqueca Crônica

PROGRESSÃO DA ENXAQUECA CRÔNICA : INÍCIO DOS SINTOMAS DAS CEFALEIAS, TRANSTORNOS DE ANSIEDADE, DEPRESSÃO E ENXAQUECA CRÔNICA Pesquisa publicada recentemente na revista Headache Medicine revela como o ocorre a progressão dos sintomas ao longo das décadas até se chegar na enxaqueca crônica, tipo mais grave de enxaqueca. A enxaqueca crônica se caracteriza por crises de enxaqueca diariamente, se associa geralmente a sintomas de ansiedade e humor, sendo comum a associação com a depressão. Os pesquisadores avaliaram a relação temporal entre o aparecimento dos sintomas de ansiedade, depressão e dor de cabeça, 84% dos indivíduos com enxaqueca crônica apresentaram algum diagnóstico psiquiátrico, principalmente transtorno de ansiedade (76%), depressão (50%), e transtorno misto de ansiedade e depressão (44%). O transtorno de ansiedade mais freqüente foi o transtorno de ansiedade generalizada (preocupações excessivas) e fobia específica (de animais, altura, lugar fechado, sangue). Os indivíduos com enxaqueca crônica avaliados apresentaram uma característica em comum: os transtornos de ansiedade se instalaram primeiro, na adolescência (média de idade de 13,9 anos), seguidos do início de enxaqueca episódica, enxaquecas espassadas (média de idade de 20,9 anos), depois se instalaram alterações do humor como a depressão (33,4 anos) e por último a enxaqueca crônica, o pior estágio da enxaqueca com crises de dor diária (36,7 anos). A idade média dos indivíduos avaliados era 41,4 anos. Dra Juliane Mercante, autora principal do estudo, comenta: “a progressão da doença segue um padrão semelhante nos que sofrem hoje de enxaqueca diariamente, o diagnostico e o início do tratamento da enxaqueca precocemente pode evitar a piora e evolução do quadro”. Pacientes com história de ansiedade, enxaqueca e depressão possivelmente podem estar com risco mais elevado de desenvolver enxaqueca crônica. E a avaliação precoce pode prevenir um sofrimento significativo. Para contato com Dra Juliane Mercante, psicóloga com doutorado no Instituto de Psiquiatria da FMUSP, escreva para julianeperes@terra.com.br ou (11)...

Ansiedade e Enxaqueca. Poster apresentado no Congresso da AHS, Los Angeles

Trabalho apresentado no Congresso Americano de Cefaleias sobre Ansiedade e Enxaqueca Veja abaixo o poster apresentando a pesquisa sobre ansiedade e enxaqueca do Dr Mario Peres no Congresso Americano de Cefaleias, ocorrido entre 24 e 27 de junho de...

Preocupação excessiva, ansie…

Preocupação excessiva, ansiedade, irritabilidade, desânimo, tristeza, altos e baixos, todos provocam enxaqueca.